O Botafogo segue na briga por uma vaga na Libertadores, quem sabe direta. Por outro lado a Chapecoense não consegue se desvencilhar do bolo de times que briga contra o rebaixamento do campeonato brasileiro.

Sobre o jogo, podemos dividir a partida em duas diferentes pelo futebol que foi apresentado no primeiro tempo e tudo que aconteceu no segundo tempo.

Um primeiro tempo digno de devolução monetária para os 7613 torcedores que estiveram presentes no estádio Nilton Santos para acompanhar o duelo, incluindo passagens de ida e de volta. O Botafogo tentava criar, mas via uma Chape fechadíssima, muito bem treinada inclusive, com linhas bem definidas e jogando muito próximas, o que dificultava a evolução do time alvinegro. Durante 45 minutos vimos a Chapecoense abrindo mão da posse de bola para, com organização, se defender. Já o Botafogo tentava algumas bolas enfiadas principalmente para o atacante Brenner, mas o goleiro Jandrei mostrava muita coragem e velocidade nas suas saídas, evitando esse tipo de avanço do Botafogo.

Brenner foi muito acionado ao longo da partida, coroado com o gol. ( Foto: Vitor Silva)

No segundo tempo a emoção foi instaurada no jogo. O técnico Emerson Cris avistou uma possibilidade da Chape sair do Rio de Janeiro com a vitória e abriu um pouco o time em uma busca maior (eu não disse grande, eu disse maior) ao ataque. Com isso aos 14 minutos, em uma jogada que começou com o Wellington Paulista – que participou ativamente de todo o jogo tanto ofensiva quanto defensivamente – culminou no primeiro gol da partida em cabeçada do lateral e capitão Apodi, após cruzamento de Túlio de Melo.

O Botafogo se viu obrigado a buscar mais ainda o ataque, e numa falta no meio do campo a bola foi alçada na área, para o atual camisa 9, Brenner, subir e cabecear e sacudir o barbante, empatando a partida aos 21 minutos da etapa final e trazendo esperança ao torcedor glorioso para um final feliz nesta noite de quarta feira, 11 de outubro de 2017.

O técnico Jair Ventura fez alterações renovando o gás da equipe na parte ofensiva com entradas de Marcos Vinícius, Rodrigo Pimpão e Vinicius Tanque, o último inclusive vaiado ao ser chamado pelo comandante. As trocas surgiram efeito e aos 50 minutos do segundo tempo, no auge dos acréscimos, em uma jogada iniciada na direita, Rodrigo Pimpão cruzou para o centroavante, dono da camisa 18, Vinicius Tanque cabecear e decretar a vitória alvinegra de virada no Nilton Santos.

Vale destacar o espírito de luta que o Botafogo teve no fim da partida para conseguir o triunfo, mas também vale ressaltar a ótima atuação do árbitro Leandro Pereira Vuaden, que além de ter a partida na mão, não se acovardou, e após grande tempo de cera do time da Chapecoense, deu 6 minutos de acréscimos, o que tornou possível a equipe do Botafogo vencer a partida.

Tanque marcou nos acréscimos e garantiu a vitória sobre a Chape.

O Botafogo segue na sexta colocação do campeonato com 43 pontos e torce por um tropeço do Palmeiras amanhã contra o Bahia no Pacaembu, já a Chapecoense segue na luta contra o rebaixamento na décima segunda posição com 32 pontos, apenas 2 pontos de diferença para zona de rebaixamento.

Mais detalhes da repercussão da vitória alvinegra você acompanha assistindo a coletiva do Técnico Jair Ventura abaixo.

Foto: Vitor Silva (SSpress)

http://redeshowdebola.com/wp-content/uploads/2017/10/images-3.jpghttp://redeshowdebola.com/wp-content/uploads/2017/10/images-3-300x300.jpgEquipe RedaçãoFacebookSlideshow
O Botafogo segue na briga por uma vaga na Libertadores, quem sabe direta. Por outro lado a Chapecoense não consegue se desvencilhar do bolo de times que briga contra o rebaixamento do campeonato brasileiro. Sobre o jogo, podemos dividir a partida em duas diferentes pelo futebol que foi apresentado no...